20.5.18

"O homem que queria viver sua vida" - Eric Lartigau (2010)

Sinopse: Paul Exben (Romain Duris) é um fotógrafo amador, que trabalha como sócio de uma grande empresa em Paris, é casado e tem dois filhos lindos. Mas quando ele descobre que Sarah, sua esposa, está traindo ele com Greg Kremer, um fotógrafo local, Paul comete um erro e acaba matando Greg. É nesse momento que Paul percebe que para se livrar da prisão e da vida que levava, uma saída será assumir a identidade do morto.
Comentários: Baseado no romance "O Fotógrafo" de Douglas Kennedy. Encontrei no Skoob uma resenha escrita por Jota que fala sobre o livro: "Esse livro tem 430 páginas porém as coisas começam a esquentar de fato somente após cerca de lidas uma centena delas. Parece que foi intencional: se o leitor se sentir meio entediado com o que Douglas Kennedy nos conta sobre a vida e o trabalho de Benjamin Bradford deve ser porque queria mostrar com muitos argumentos como o próprio personagem se sentia em grande parte: de saco cheio de muita coisa em torno de si. Entediado. Apesar de ter uma linda mulher e dois belos filhos pequenos, alguma coisa – ou muita coisa – incomoda Ben. E enquanto não ocorre a grande virada do livro, o dia D de Bradford, o leitor pode se divertir com a ironia, crítica e cretinice que ele despeja sobre a classe média americana. Especialmente quando trata da fauna humana que frequenta o maior centro financeiro do mundo, Wall Street, onde ele trabalha. Para grande parte dessas pessoas, tanto quanto o trabalho que fazem importa mesmo é falar sobre os lugares caros que frequentam, as celebridades que conhecem, as marcas dos produtos que consomem e o quanto pagaram por eles, etc. Um mundo em que a aparência de um indivíduo, sua mulher, sua casa, seu carro, seu iate, sua conta bancária, valem mais do que sua essência de ser humano. Esse é o mundo do qual Ben faz parte, embora anos antes não fizesse parte de seus sonhos de juventude estar nele como agora. Benjamin Bradford se submeteu ao pai: não queria ser advogado, queria ser fotógrafo. Ainda fotografa nas horas vagas e daí ele se assemelhar a um grande observador do mundo que o cerca e conhece muito bem. Ainda que, apesar de andar pela faixa dos trinta e tantos anos de idade, ser apenas sócio júnior num conhecido escritório de advocacia nova-iorquino. A temperatura do livro começa a subir a partir do momento em que o advogado Bradford passa a desconfiar que sua bela mulher está tendo um caso extraconjugal com um vizinho, este sim um fotógrafo profissional, embora não muito bem-sucedido. Ben tem alguns fatos na cabeça e algumas fotos numa câmera para acreditar piamente na traição da mulher – as coisas então se precipitam um bocado, ameaçam ficar fora de controle. E ficam. É quando parece que Douglas Kennedy nos joga num daqueles brilhantes romances de Patricia Highsmith da série Ripley, especialmente "O Talentoso Ripley", com o qual O Fotógrafo parece flertar um pouco. A partir da ocorrência de um acidente mortal nossa atenção fica totalmente presa no que virá a seguir, no que o fotógrafo fará. Quase não se consegue largar o livro a partir daí. E até o inesperado final, muitas reviravoltas irão ocorrer, claro. E cheguei a este conhecendo de antemão sua história, depois de assistir a um curioso filme - "L'homme qui voulait vivre sa vie" (2010), direção de Eric Lartigau -, que não é senão a versão francesa do livro de Kennedy (no original, "The Big Picture") para o cinema. Nova York se transforma em Paris, Montana em Montenegro, Benjamin Bradford vira Paul Exben, etc. Mas a história de Kennedy está praticamente quase toda no filme francês, um pouco menos interessante que o livro americano e com um final completamente diferente. O Fotógrafo foi lançado nos EUA em 1995, quase vinte anos passados. Por vezes, durante a leitura você percebe isso, que aqui e ali certas referências encontram-se datadas, não tem jeito. Mas mesmo assim e com a certeza de que o livro não é nenhuma obra-prima, é necessário reconhecer que Douglas Kennedy se revela ousado, criativo e até engraçado muitas vezes.".

14.5.18

“Wild Wild Country” - Maclain Way & Chapman Way (EUA, 2018)

Sinopse: Trata-se de um documentário em 6 capítulos da Netflix sobre o controverso guru indiano Bhagwan Shree Rajneesh (Osho), sua antiga assistente pessoal Ma Anand Sheela e seus seguidores da comunidade de Rajneeshpuram, próxima da pequena cidade de Antelope, ambas localizadas no Condado de Wasco, Oregon.
Comentário: Segundo Pedro Venceslau, do jornal O Estado de S.Paulo, "nas primeiras cenas de Wild Wild Country fica a impressão que o debate de fundo da série documental da Netflix é sobre tolerância. Os Estados Unidos ainda não tinham digerido o suicídio coletivo de 918 pessoas promovido em 1979 pelo pastor Jim Jones quando o carismático guru indiano Bagwan Shree Rajneesh levou sua seita da Índia para o interior do Oregon. As frases de autoajuda do “guia” espiritual morto em 1990, hoje chamado de Osho, ainda frequentam as timelines das redes sociais.
A série promove uma imersão no culto ao cruzar um rico acervo de imagens de época com depoimentos dos personagens principais nos dias atuais. A pequena e pacata Antelope, cidade com 40 habitantes no Oregon – todos brancos, conservadores, republicanos e de classe média – se insurge contra a chegada dos seguidores de Bagwan. Do dia para a noite, milhares de fiéis descolados, adeptos do amor livre e de rituais exóticos catárticos, tomam conta da região. Lá pelo segundo episódio, quando o documentário ameaça andar de lado na disputa entre os dois mundos, a narrativa entra em uma espiral de loucura, disputas políticas e violência. É nesse momento que a série se torna um daqueles assuntos com potencial de incendiar qualquer debate. Há quem veja paralelos entre a saga do guru indiano e a militância apaixonada dos petistas leais ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O terreno é perigoso, mas as semelhanças existem. Assim como em Antelope, o pacato bairro Santa Cândida, em Curitiba, recebeu do dia para noite centenas de “moradores” de vermelho. Houve um inevitável choque cultural. Quem chegou reclamou de intolerância de quem veio, quem veio acusou o preconceito dos que lá estavam. Dois mundos completamente diferentes dividindo o mesmo território. Para quem não conhece a história e não viu a série, a partir de agora entram os spoilers. A seita mudou-se para os Estados Unidos porque o país conta com uma Constituição que garante a liberdade religiosa, de expressão e agrupamento. Lá estariam, em tese, seguros. Mas não foi isso o que aconteceu. A disputa local se expandiu para uma batalha nacional dos “sannyasins”, como são chamados os seguidores do líder, e o establishment após os primeiros registros de violência. Em retaliação aos ataques contra seus fiéis, que incluem um incêndio criminoso, os até então seguidores pacifistas pegaram em armas e ameaçaram responder na mesma moeda. Entra em cena o fanatismo. Os Estados Unidos ficaram em alerta. Na disputa judicial que se segue até a prisão do guru, muitas são as semelhanças com os desdobramentos do caso Lula: a fé absoluta na inocência do líder que, uma vez preso, é colocado em isolamento total para evitar romarias e culto a personalidade, a indignação versus a exaltação ao judiciário e as estratégias para atingir um objetivo como se os fins justificassem os meios. Antes que joguem a primeira pedra, é claro que não há comparação entre os dois líderes: Lula foi um presidente eleito com mais 40 milhões de votos e, mesmo preso, lidera as pesquisas de intenção de voto. Bagwan era um guru excêntrico e milionário, que colecionava carros de luxo e relógios de ouro e atraía multidões oferecendo meditação e rituais estranhos. Mas há muito mais a ser digerido em Wild Wild Country. Braço direito de Bagwan, a encantadora Ma Anand Sheela faz um depoimento que conduz a narrativa. Ponto para os irmãos Jay e Mark Duplass, produtores do documentário, que a encontraram cuidando de doentes mentais em uma clínica na Europa. No quarto onde Sheela concedeu a entrevista estão pendurados quadros e fotos do guru. Na reta final da série, os acontecimentos deixam no ar a pergunta: estamos diante de uma psicopata?".

13.5.18

"Vulcão" - Runár Rúnarsson (Dinamarca/Islândia, 2011)

Sinopse: Hannes (Theodór Júlíusson) está com 67 anos de idade e recém aposentado após sua esposa ficar doente. Devido ao seu comportamento frio no passado, ele não mantém contato com a família e quase não tem amigos, além do relacionamento com a esposa estar desgastado. Com a aposentadoria, ele enfrenta o vazio que será o restante da sua vida, sendo necessário eventos drásticos para ele perceber que precisa se ajustar e ajudar quem ama.

7.5.18

"Sem Amor" - Andrey Zvyagintsev (Rússia/França/Bélgica/Alemanha, 2017)

Sinopse: Boris (Alexey Rozin) e Zhenya (Maryana Spivak) estão se divorciando. Depois de anos juntos, os dois se preparam para suas novas vidas: ele com sua nova namorada, que está grávida, e ela com seu parceiro rico. O problema é que nenhum dos dois pretende ficar com a guarda do filho Alyosha (Matvey Novikov), que acaba desaparecendo misteriosamente.

1.5.18

"120 Batimentos por Minuto" - Robin Campillo (França, 2017)

Sinopse: França, início dos anos 1990. O grupo ativista Act Up está intensificando seus esforços para que a sociedade reconheça a importância da prevenção e do tratamento em relação a Aids, que mata cada vez mais há uma década. Recém-chegado ao grupo, Nathan (Arnaud Valois) logo fica impressionado com a dedicação de Sean (Nahuel Pérez Biscayart), apesar de seu estado de saúde delicado.

23.4.18

"Eu Não Sou Seu Negro" - Raoul Peck (EUA/Suiça/França/Bélgica, 2016)

Sinopse: O escritor James Baldwin escreveu uma carta para o seu agente sobre o seu mais recente projeto: terminar o livro Remember This House, que relata a vida e a morte de alguns dos amigos do escritor, como Medgar Evers, Malcolm X e Martin Luther King Junior. Com sua morte, em 1987, o manuscrito inacabado foi confiado ao diretor Raoul Peck, que rodou este documentário.

22.4.18

"The Square - A Arte da Discórdia" - Ruben Östlund (Suécia/Alemanha/Dinamarca/França, 2017)

Sinopse: Um gerente de museu está usando de todas as armas possíveis para promover o sucesso de uma nova instalação. Entre as tentativas para isso, ele decide contratar uma empresa de relações públicas para fazer barulho em torno do assunto na mídia em geral. Mas, inesperadamente, isso acaba gerando diversas consequências infelizes e um grande embaraço.

17.4.18

Quando Partimos - Feo Aladag (Alemanha, 2010)

Sinopse: Umay (Sibel Kekilli), uma mãe turco-alemã, sai de Istambul com seu filho Cem (Nizam Schiller), fugindo de um marido opressivo, para tentar começar uma vida nova em Berlim. Porém, sua família, tradicional e violenta, que reside em Berlim, não aceita a separação por ser contra sua religião. Agora, para ficar com seu filho, Umay começa uma luta contra aqueles que ama em busca de liberdade, respeito e dignidade. O conflito entre tradições e valores culturais modernos chega a tal ponto que vai colocar a vida dessa jovem mãe em risco.

9.4.18

“Magical Mystery Tour” - Bernard Knowles (Reino Unido, 1967)

Sinopse: A história gira em torno de Ringo Starr e sua tia Jessie, que adquirem bilhetes para um passeio em um ônibus, sem um roteiro conhecido pelos passageiros, mas considerado mágico e misterioso pelos seus organizadores. Neste passeio estão todos os Beatles e figuras pitorescas, inclusive uma criança, a jovem Nichola. Durante o roteiro turístico, mágicos (protagonizados por John, Paul, Ringo e George, além de Mal Evans) intervêm no passeio, criando situações inusitadas e algumas vezes pitorescas.

8.4.18

“A Onda” - Dennis Gansel (Alemanha, 2008)

Sinopse: Em uma escola da Alemanha, alunos tem de escolher entre duas disciplinas eletivas, uma sobre anarquia e a outra sobre autocracia. O professor Rainer Wenger (Jürgen Vogel) é colocado para dar aulas sobre autocracia, mesmo sendo contra sua vontade. Após alguns minutos da primeira aula, ele decide, para exemplificar melhor aos alunos, formar um governo fascista dentro da sala de aula. Eles dão o nome de "A Onda" ao movimento, e escolhem um uniforme e até mesmo uma saudação. Só que o professor acaba perdendo o controle da situação, e os alunos começam a propagar "A Onda" pela cidade, tornando o projeto da escola um movimento real. Quando as coisas começam a ficar sérias e fanáticas demais, Wenger tenta acabar com "A Onda", mas aí já é tarde demais.
Comentário: Trata-se da versão alemã dessa história já contada em livro e que ocorreu, de fato, em uma escola secundária norte-americana em 1967, em Palo Alto, Califórnia.

3.4.18

"O Violino" - Francisco Vargas (México, 2005)

Sinopse: Don Plutarco (Don Angel Tavira), seu filho Genaro (Gerardo Taracena) e seu neto Lúcio (Mario Garibaldi) mantêm uma vida dupla. Ao mesmo tempo em que são músicos e humildes fazendeiros, eles participam da guerrilha clandestina contra o governo militar opressor. Quando os militares invadem o vilarejo em que vivem, Plutarco elabora um plano: se disfarça de um inocente violinista e retorna ao vilarejo para recuperar suas armas e munições. Com sua música, Plutarco consegue conquistar os militares.

1.4.18

"Depois da Chuva" - Takashi Koizumi (França/Japão, 1999)

Sinopse: Misawa é um samurai que não consegue encontrar emprego, mas que é um gênio da arte de lutar. Ao lado de sua mulher, ele é obrigado a parar em uma pequena hospedaria por causa de uma enchente. Vendo as péssimas condições do local, ele parte em busca de alimento para o povo, logo despertando a desconfiança de sua mulher, que não gosta que ele lute por dinheiro. Mesmo sem a conduta real de um samurai, é contratado para treinar a tropas do feudo local, despertando a inveja dos outros lutadores.
Comentários: Filmado após a morte de Akira Kurosawa, pelo seu assistente de direção Takashi Koizumi. Um dos últimos roteiros do mestre oriental.

31.3.18

"A Dança da Realidade" - Alejandro Jodorowsky (Chile, 2013)

Sinopse: A cinebiografia de Alexandro Jodorowsky explora as aventuras e as buscas da sua vida. Nascido no Chile em 1929, na pequena cidade de Tocopilla, Jodorowsky teve uma educação rígida e violenta. Apesar dos fatos serem reais, a ficção ganha vida com um universo poético que reinventa a sua história.

18.3.18

“Corra!” - Jordan Peele (EUA, 2017)

Sinopse: Chris (Daniel Kaluuya) é um jovem negro que está prestes a conhecer a família de sua namorada caucasiana Rose (Allison Williams). A princípio, ele acredita que o comportamento excessivamente amoroso por parte da família dela é uma tentativa de lidar com o relacionamento de Rose com um rapaz negro, mas, com o tempo, Chris percebe que a família esconde algo muito mais perturbador.

12.3.18

"Delírios" - Tom DiCillo (EUA, 2006)

Sinopse: Les Galantine (Steve Buscemi) é um paparazzi sem muito sucesso. Quando encontra Toby Grace (Michael Pitt), um jovem sem-teto, o contrata como seu assistente. Les não paga nada, mas oferece quarto e comida, e os dois viram amigos. Toby, no entanto, sonha ser ator. Com a ajuda da sorte ele conhece acidentalmente K'Harma Leeds (Alison Lohman), a cantora pop do momento, e começa um relacionamento. O jovem, então, se vê dividido entre suas obrigações com Les e a chance de seguir seus sonhos.

11.3.18

"Contrato Vitalício" - Ian SBF (Brasil, 2015)

Sinopse: Miguel (Gregório Duvivier) e Rodrigo (Fábio Porchat) são dois amigos que costumam realizar filmes juntos. Certa ocasião, um de seus filmes ganha um prêmio importante em um festival internacional. Animados com a premiação, os dois saem para comemorar e Rodrigo assina, em um guardanapo de bar, um contrato vitalício que garante que ele estaria em todos os filmes de Miguel dali para frente. No entanto, Miguel desaparece e só retorna dez anos depois. Quando reaparece, ele leva para Rodrigo, agora um ator consagrado, a proposta de um filme insano que pode destruir sua carreira.

5.3.18

“Lemon Tree” - Eran Riklis (França/Israel/Alemanha, 2008)

Sinopse: Salma Zidane (Hiam Abbass) é uma viúva cujo sustento vem de sua plantação de limãos, localizada na linha de fronteira entre Israel e Cisjordania. Quando o Ministro de Defesa israelense (Doron Tavory) se muda para a casa em frente à plantação de Salma, o exército israelita declara que os limoeiros ameaçam a segurança do governante e por isso devem ser arrancados. Após pedir ajuda às autoridades palestinas e não obter sucesso, Salma chega ao Tribunal Supremo Isralense com a assistência de Ziad Daud (Ali Suliman), um jovem advogado palestino. Sua determinação desperta o interesse de Mira Navon (Rona Lipaz Michael), esposa do Ministro da Defesa, e uma conexão entre as duas mulheres é criado.

4.3.18

"A Sombra da Árvore" - Hafsteinn Gunnar Sigurðsson (Islândia, 2017)

Sinopse: O que era uma simples e rotineira briga de vizinhos tomou proporções gigantescas. Isso porque Baldwin (Sigurður Sigurjónsson) e Inga (Edda Björgvinsdóttir) decidiram se queixar de uma árvore que joga uma grande sombra e acaba impedindo a chegada do sol, e isso acabou saindo fora de controle.

27.2.18

"Em Paris" - Christophe Honoré (França/Portugal, 2006)

Sinopse: Mirko (Guy Marchand) tem dois filhos: os jovens Paul (Romain Duris) e Jonathan (Louis Garrel). O primeiro é confuso e o segundo irresponsável. Paul sofre do mesmo tipo de depressão que levou sua irmã ao suicídio, alguns anos antes. Ele vivia com a namorada Anna (Joana Preiss), mas após brigar com ela voltou a morar com o pai. Enquanto Jonathan vive aventuras românticas pela cidade, Paul se recusa a sair da cama e do quarto.

25.2.18

“On Yoga: Arquitetura da Paz” - Heitor Dhalia (Brasil/Índia/China/EUA, 2017)

Sinopse: Heitor Dhalia registra a busca de uma década do fotógrafo Michael O'Neill por conhecer melhor os principais gurus e mestres de yoga em atividade, incluindo encontros com pensadores, médicos e iogues e passagens pelo Festival Internacional de Yoga, em Rishikesh, e o Mela Festival Kumbha, em Haridwar.

20.2.18

“Stalker” - Andrei Tarkovski (Alemanha Ocidental/Rússia, 1979)

Sinopse: Em um país não nomeado, a suposta queda de um meteorito criou uma área com propriedades estranhas, onde as leis da física e da geografia não se aplicam, chamada de Zona. Dentro da Zona, segundo reza uma lenda local, existe uma sala onde todos os desejos são realizados. Com medo de uma invasão da população em busca da tal sala, autoridades vigiam o local e proíbem a entrada de pessoas. Apenas alguns têm a habilidade de entrar e conseguir sobreviver lá dentro, são os "stalkers". Um escritor e um cientista querem entrar e contratam um stalker para guiá-los lá dentro. No caminho até o quarto, vão passar por rotas misteriosas e muitas vezes, mutáveis.

19.2.18

"Nanook, o Esquimó" - Robert Flaherty (França/EUA, 1922)

Sinopse: Documenta um ano da vida do esquimó Nanook e de sua família, que vivem em Hudson Bay, no Canadá. A caça (a animais como o leão marinho), a pesca e as migrações de um grupo que estão totalmente à parte da industrialização da década de 20. O cotidiano de uma família que realiza as atividades do dia-a-dia em volta basicamente de uma única questão: ter o que comer.
Comentário: Primeiro documentário feito no mundo. Na época as pessoas já estavam acostumadas com o cinema de ficção, mas longa em forma de documentário nunca ninguém tinha feito. Foi tudo filmado na baía de Hudson, no Canadá. Foi a empresa Pathé que topou o lançamento. Sofreu críticas como a alteração do nome do protagonista que não se chamava Nanook e o fato de ter filmado uma mulher dizendo ser a esposa de Nanook, mas na verdade não era.

18.2.18

“Whisky" - Pablo Stoll e Juan Pablo Rebella (Uruguai, 2003)

Sinopse: Em Montevidéu, Jacobo (Andres Pazos), um homem de 60 anos, vive sozinho desde a morte de sua mãe. Desde então, sua única alegria na vida é a pequena e antiga fábrica de meias que herdou. Marta (Mirella Pascual) é uma mulher de 48 anos que é o braço direito de Jacobo na fábrica, onde trabalha como supervisora. Marta e Jacobo possuem uma espécie de dependência mútua, apesar dos assuntos entre eles sempre ficarem em torno de trabalho. Até que um dia, Herman (Jorge Bolani), o irmão de Jacobo, avisa que irá a Montevidéu para participar da matzeiva, uma celebração judaica para a colocação de pedra no túmulo da mãe deles. Herman não vai a Montevidéu há mais de 20 anos, tendo faltado até mesmo ao funeral de sua mãe. Ele também  tem uma fábrica de meias, localizada no Brasil. A visita desperta em Jacobo a velha competição existente entre os irmãos, o que faz com que ele faça a Marta uma proposta inusitada: que ela seja sua esposa durante a visita de Herman.

14.2.18

“O Cidadão Ilustre” - Mariano Cohn e Gastón Duprat (Argentina, 2016)

Sinopse: Daniel Mantovani (Oscar Martínez), um escritor argentino e vencedor do Prêmio Nobel, radicado há 40 anos na Europa, volta à sua terra natal, ao povoado onde nasceu e que inspirou a maioria de seus livros, para receber o título de Cidadão Ilustre da cidade - um dos únicos prêmios que aceitou receber. No entanto, sua ilustre visita desencadeará uma série de situações complicadas entre ele e o povo local.

13.2.18

“A Autópsia” - Andre Ovredal (EUA/Reino Unido, 2016)

Sinopse: O corpo maltratado de uma mulher não identificada é descoberto em uma pequena vila na Virgínia e eventos inexplicáveis começam a atormentar os donos do necrotério e os responsáveis por fazer a autópsia no cadáver.

12.2.18

“Dunkirk” - Christopher Nolan ( EUA/França/Reino Unido/Holanda, 2017)

Sinopse: Na Operação Dínamo, mais conhecida como a Evacuação de Dunquerque, soldados aliados da Bélgica, do Império Britânico e da França são rodeados pelo exército alemão e devem ser resgatados durante uma feroz batalha no início da Segunda Guerra Mundial. A história acompanha três momentos distintos: uma hora de confronto no céu, onde o piloto Farrier (Tom Hardy) precisa destruir um avião inimigo, um dia inteiro em alto mar, onde o civil britânico Dawson (Mark Rylance) leva seu barco de passeio para ajudar a resgatar o exército de seu país, e uma semana na praia, onde o jovem soldado Tommy (Fionn Whitehead) busca escapar a qualquer preço.

11.2.18

“O lar das crianças peculiares” - Tim Burton (EUA/Bélgica/Reino Unido, 2016)

Sinopse: Após a estranha morte de seu avô (Terence Stamp), o jovem Jake (Asa Butterfield) parte com seu pai para o País de Gales. Lá ele pretende encontrar a srta. Peregrine (Eva Green), atendendo ao último pedido do avô, que lhe disse que "ela contará tudo". Só que, ao chegar, descobre que o local onde ela viveria é uma mansão em ruínas, que foi atingida por um míssil durante a Segunda Guerra Mundial. Ao investigar a área, Jake descobre que lá há uma fenda temporal, onde a srta. Peregrine vive e protege várias crianças dotadas de poderes especiais.

5.2.18

"O Grande Dia na Praia" - Stellan Olsson (Dinamarca, 1991)

Sinopse: No esperado grande dia na praia, com a presença da família e dos vizinhos, o pequeno Gustav passa a ver seu pai com olhos menos ingênuos.

4.2.18

“Coisas Belas e Sujas” - Stephen Frears (Reino Unido, 2002)

Sinopse: Um imigrante nigeriano chamado Okwe (Chiwetel Ejiofor) que vive em Londres descobre uma rede de contrabando de órgãos, mas não pode denunciar os responsáveis à polícia, pois está no país em situação ilegal. Ele só confia numa turca que está na mesma situação que ele e ambos terão que lutar para sair do país.

30.1.18

"A Vida até Parece uma Festa" - Oscar Rodrigues Alves e Branco Mello (Brasil, 2008)

Sinopse: A história da banda Titãs contada pelos próprios músicos. Quando o disco Cabeça Dinossauro foi lançado, Branco Mello comprou sua primeira câmera e passou a gravar tudo o que acontecia, aproveitando o momento de explosão musical que aconteceu nos anos 80. O resultado são cenas inéditas de viagens, camarins, discussões, ensaios, shows, gravações e até a participação em programas de TV. Ajudam a contar a trajetória da banda diversos amigos e artistas que conviveram com os músicos ao longo de todo esse tempo.